Mercado de trabalho e a evolução dos salários no Brasil

Autores

  • Ricardo Summa

Palavras-chave:

Salários nominais e reais, conflito distributivo, poder de barganha.

Resumo

No presente trabalho será avaliado o comportamento dos salários no Brasil nos anos 2000 a partir da abordagem da economia política clássica. Dessa maneira, avaliaremos algumas características políticas, institucionais e a situação do mercado de trabalho da economia brasileira e sua relação com os resultados das negociações salariais reais e da posição de barganha dos trabalhadores. Conclui-se, a partir da avaliação dos dados da economia brasileira, que houve um processo de mudança no poder de barganha dos trabalhadores e do crescimento do salário real (agregado e setorial), que se inicia em 2006 e perdurou até 2014.

Referências

AMITRANO, C. R. “Considerações sobre o mercado de trabalho no Brasil”. In: CORRÊA, V. P. Padrão de acumulação e desenvolvimento brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013.

AMORIM, B. e GONZALEZ, R. “O seguro-desemprego como resposta à crise no emprego: alcance e limites”, Nota técnica IPEA mercado de trabalho, 40, ago. 2009.

CARDOSO, A. “Os sindicatos no Brasil”, Nota técnica IPEA mercado de trabalho, 56, fev. 2014.

CASTRO PIRES, M. C. & LIMA JÚNIOR, A. “Análise econômica do programa seguro-desemprego: uma reflexão sobre o espaço disponível para ajuste das despesas do FAT”, Nota técnica IPEA mercado de trabalho, 56, fev. 2014.

GAREGNANI, P.; CAVALIERI, T.; LUCII, M. “Full employment and the left”. In: BINI, P. & TUSSET G. (Org.). Theory and practice of economic policy. Tradition and change. Selected Papers from the 9th Aispe Conference. Milão: Franco Angeli Edizioni, 2008.

DE CONTI, B. “O salário mínimo e um mínimo de economia política”, Jornal do Brasil, 18/04/2014.

DOS SANTOS, C. “Notas sobre as dinâmicas relacionadas do consumo das famílias, da formação bruta de capital fixo e das finanças públicas brasileiras no período 2004-2012”. In: CORRÊA, V. P. Padrão de acumulação e desenvolvimento brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013.

GLYN, A. Capitalism unleashed: finance, globalization, and welfare. Oxford: Oxford University Press, 2007.

GOUVEA, R. R.; DOS SANTOS, C. H. M.; LEAL, E. M.; SILVA LEÃO, I. L. “Estimativas trimestrais das transferências públicas de assistência e previdência no Brasil no período 1995-2012”, Texto para discussão IPEA 1991, Rio de Janeiro: IPEA, agosto de 2013.

HALLAK NETO, J. e SABOIA, J. “A distribuição funcional da renda no Brasil: análise dos resultados recentes e estimação da conta da renda nos anos de informações preliminares do Sistema de Contas Nacionais”, Seminários de pesquisa, IE-UFRJ, 2013.

IBARRA, A. “Mercado de trabalho brasileiro: identificação dos problemas e propostas de enfrentamento na perspectiva da agenda social-desenvolvimentista”. In: FONSECA, A. & FAGNANI, E. (orgs.). Políticas sociais, desenvolvimento e cidadania. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013.

IPEA. Panorama de política fiscal. Brasília: IPEA, 2012.

KALECKI, M. “Political aspects of full employment”, The Political Quarterly, vol. 14, n. 4, Wiley Blackwell: Oxford, 1943, pp. 322-330.

KALECKI, M. “Class struggle and the distribution of national income”, Kyklos, vol. 24., n. 1, Wiley Blackwell: Oxford, 1971, pp. 1-9.

LERNER, A. Economics of employment. McGrawHill: NYC, [1951] 1978.

MEDEIROS, C. A. “Salário mínimo e desenvolvimento econômico”. In: BALTAR, P. et al. Salário mínimo e desenvolvimento. Campinas: Unicamp, 2005, pp. 13-24.

MEDEIROS, C. A. A influência do salário mínimo sobre a taxa de salários no Brasil na última década. Rio de Janeiro: IPEA, 2013 (mimeo).

ORAIR, R. & GOBETTI, S. “Governo gastador ou transferidor? Um macrodiagnóstico das despesas federais no período de 2002 a 2010”. In: IPEA. Brasil em desenvolvimento 2010, v. 1, Brasília: Ipea, 2010, pp. 87-112.

PALUMBO, A. Demand and supply forces vs institutions in the interpretations of the Phillips curve. Roma: Dipartamento di Economia, Roma Tre, 2008 (mimeo).

PHILLIPS, A. W. “The relation between unemployment and the rate of change of money wage rates in the United Kingdom, 1861–1951”, Economica, v. 25, n. 100, 1958, p. 283-299.

PICHLER, W. “Tendências da sindicalização no Brasil: 1992-2009”. In: Brasil: Fundação de Economia e Estatística, vol. 38, n. 3, 2011, pp. 37-46.

POLLIN, R. “Wage bargaining and the US Phillips curve: was Greenspan right about ‘traumatized workers’ in the 1990s?”, AEA/URPE session Recessions, inflation and the prospects of equitable growth, Washington: ASSE meeting Washington DC, 2003.

ROWTHORN, R. E. Conflict, inflation and money, Cambridge Journal of Economics, vol. 1, n. 3, Oxford University Press: Oxford, 1977, pp. 215-239.

SERRANO, F. Acumulação de capital, poupança e crescimento. Rio de Janeiro: IE-UFRJ, 2008 (mimeo).

SERRANO, F. “O conflito distributivo e a teoria da inflação inercial”, Revista de Economia Contemporânea, v. 14, n. 2, Rio de Janeiro, maio/ago 2010, pp. 395-421.

STIRATI, A. The theory of wages in classical economics: a study of Adam Smith, David Ricardo, and their contemporaries. Edward Elgar Publishing: Cheltenham, 1994.

Downloads

Publicado

2015-12-01