Valor e gestão da produção: contribuições marxianas para a compreensão da busca pela eficiência produtiva

Autores

  • Lucas Milanez de Lima Almeida Professor da Universidade Federal da Paraíba e Doutorando do PPGE/Universidade Federal da Bahia
  • Nelson Rosas Ribeiro Professor Emérito da Universidade Federal da Paraíba e Coordenador do PROGEB - Projeto Globalização e Crise na Economia Braileira

Palavras-chave:

Teoria do valor trabalho, taxa de lucro, gestão da produção.

Resumo

Buscamos em O capital elementos que mostram as razões econômicas da busca pela eficiência na gestão da produção. Observamos que, no âmbito dos valores, o capitalista pode elevar sua taxa de lucro individual pelo aumento da taxa de mais-valia; pela redução do investimento; pela apropriação de mais-valia extraordinária; e pelo aumento da rotação do capital circulante. Destacamos, ainda, a busca pela transformação de todo o tempo de produção em tempo de trabalho, para ampliar o excedente e reduzir os desperdícios com capital ocioso. Sob a forma preço de produção do valor, apesar da taxa geral de lucro, o capitalista pode ter uma taxa de lucro individual superior, igual ou inferior à taxa de lucro médio, de acordo com o investimento total e, principalmente, com a produtividade/eficiência do capital produtivo.

Referências

ALMEIDA, L. M. L. O modelo de gestão da Toyota: uma análise do lean manufacturing ou manufatura enxuta baseada na teoria marxiana do valor trabalho. Dissertação de mestrado, Mestrado em Economia Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010, 98p.

ALMEIDA, L. M. L. & RIBEIRO, N. R. “Valor, valor de troca e mercado: o falso problema da transformação”. In: Anais do XVI Encontro Nacional de Economia Política. Uberlândia: SEP, 2011.

CAMPOS, L. H. R. O supply chain management e seus reflexos na concorrência. Dissertação de mestrado, Mestrado em Economia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2000, 124p.

CIPOLLA, F. P. “Notas sobre o problema da relação entre a taxa de lucro e o número de rotações do capital”, Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política. Rio de Janeiro, nº 17, dezembro 2005, pp. 33-49.

DI SERIO, L. C.; MAIA, M.; SAMPAIO, M.; PEREIRA, S. C. F. “O consórcio modular: caso Volkswagen Resende”. In: Anais do EnANPAD 2002. Salvador: ANPAD, 2002.

LENIN, V. I. “Imperialismo, fase superior do capitalismo” [1917]. In: Obras escolhidas, Vol. I. São Paulo: Alfa-Ômega, s/d.

LIKER, J. K. O modelo Toyota: 14 princípios de gestão do maior fabricante do mundo. São Paulo: Bookman, 2004.

LOMBARDI, M. “Entenda como funciona uma fábrica de carros”. São Paulo: UOL Economia, 2011. Disponível em <http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2011/08/25/entenda-como-funciona-uma-fabrica-de-carros.htm>. Acesso em: 17 mar. 2015.

MARX, K. O capital: crítica da Economia Política. Livro I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006a.

MARX, K. O capital: crítica da Economia Política. Livro II. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006b.

MARX, K. O capital: crítica da Economia Política. Livro III. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

OHNO, T. Sistema Toyota de produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Bookman, 1997.

RIBEIRO, N. R. O capital em movimento: ciclos, rotação, reprodução. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2009.

ROSENTAL, M. M. & STRAKS, G. M. Categorías del materialismo dialéctico. 1 ed. México, D. F.: Editorial Grijalbo, S.A., 1960.

VENANZI, D. “As implicações e vantagens do uso do modelo de consórcio modular na indústria automobilística”. In: Anais do XXVII do Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Foz do Iguaçu: ABEPRO, 2007.

VITALI, S.; GLATTFELDER, J. B.; BATTISTON, S. “The network of global corporate control”, PLoS ONE.6(10): e25995, 2011.

Downloads

Publicado

2015-12-01