Para além do populismo: governo João Goulart e a crise do modelo trabalhista de política econômica

Autores

  • Jorge Varaschin

Palavras-chave:

Trabalhismo, populismo, João Goulart, economia brasileira.

Resumo

O governo João Goulart (1961-1964) caracteriza-se como um dos períodos mais conturbados da história brasileiracontemporânea. Mais do que momento de grande mobilização social e de acirramento da luta de classes, representa o aprofundamento dos impasses elaborados pela dinâmica política e econômica iniciada durante a década de 1930: a formação de uma problemática nacional mediante a identificação do desenvolvimento como utopia demonstra os dilemas da construção do chamado Brasil moderno, observado, então, como processo de formação de uma sociedade de classes. Esse movimento tem sua agudização nos anos da presidência de João Goulart. Nesse contexto, o foco da análise recai sobre o sentido da política econômica então implementada, compreendendo a política econômica entre os anos de 1961 a 1964, como resposta a uma problemática específica ao momento histórico no qual se insere, cuja dinâmica se encontra em dois fatores principais: um de caráter estrutural, ligado à perda de dinamicidade do processo de substituição de importações; e outro conjuntural, onde o acirramento do conflito social ganha realce. A sua inconsistência ou falta de diretrizes se desvanecem na medida em que a pesquisa investiga, para além da política econômica e de seu suposto caráter instrumental, aquilo que lhes dá sentido, ou seja, as classes e frações de classes. Só a partir deste ponto as “irracionalidades” mencionadas revelam seu conteúdo.

Referências

ABREU, Marcelo de Paiva. “Inflação, estagnação e ruptura: 1961-1964”. In: ABREU, Marcelo de Paiva (org.) A ordem do progresso: cem anos de política econômica republicana 1889-1989. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

BAER, W. A economia brasileira. São Paulo: Nobel, 1996. DELGADO, Lucília de Almeida Neves. PTB: do getulismo ao reformismo. São Paulo: Marco zero, 1989.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.

FERREIRA, Jorge (org.). O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Revolução Brasileira, 2001.

FONSECA, Pedro Cezar Dutra. Vargas: o capitalismo em construção. São Paulo: Brasiliense, 1989.

________. “Legitimidade e credibilidade: impasses da política econômica do governo Goulart”, Estudos Econômicos, São Paulo: vol. 31, nº 3, jul/set 2004a, p. 587-622.

________. “Gênese e precursores do desenvolvimentismo no Brasil”, Pesquisa & Debate. São Paulo: PUC-SP, v. 15, n. 2(26), jul./dez. 2004b, pp.225-56.

FURTADO, Celso. Um projeto para o Brasil. Rio de Janeiro: Saga, 1968.

LESSA, Carlos. Quinze anos de política econômica. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MACEDO, Roberto B. M. “Plano trienal de desenvolvimento econômico e social (1963 -1965)”. In: LAFER, Betty Mindlin (org.), Planejamento no Brasil. São Paulo: Perspectiva,1975.

MOREIRA, Cássio Silva. O projeto de nação do governo João Goulart: o Plano Trienal e as Reformas de Base (1961-1964). Tese de doutorado – UFRGS. Porto Alegre: UFRGS, 2011.

SERRA, José. “Ciclo e mudanças estruturais na economia brasileira do após guerra”. In: BELLUZZO, L. G; COUTINHO, R. (Orgs.). Desenvolvimento capitalista no Brasil. Campinas: Instituto de Economia-Unicamp, 1998.

SIMONSEN. Mario Henrique. A experiência inflacionária no Brasil. Rio de Janeiro: IPES, 1963.

SINGER. André V.. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SINGER, Paul. Dominação e desigualdade: estrutura de classe e repartição da renda no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

SKIDMORE. Thomas. Brasil: de Getúlio Vargas a Castelo Branco (1930-1964). 6ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

TAVARES, Maria da Conceição. (1963), “Auge e declínio do processo de substituição de importações no Brasil”. In: Da substituição de importações ao capitalismo financeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

TAVARES, Maria da Conceição & SERRA, José. (1971), “Além da estagnação”. In: Da substituição de importações ao capitalismo financeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

________. Acumulação de capital e industrialização no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 1986.

VIANNA, Luiz W. “Estudos sobre sindicalismo e movimento operário: resenha de algumas tendências”, Revista Dados. Rio de Janeiro, 1978.

WEFFORT, F. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

Downloads

Publicado

2015-12-01