Notas sobre o debate acerca dos limites históricos do capital

Autores

  • Gustavo Moura de Cavalcanti Mello Universidade Federal do Espírito Santo
  • Henrique Pereira Braga Universidade Federal do Espírito Santo
  • Maurício de Souza Sabadini Universidade Federal do Espírito Santo

Palavras-chave:

Capitalismo Contemporâneo, Marxismo, Crítica da Economia Política

Resumo

A dinâmica da acumulação de capital tem mudado durante as últimas décadas, o que ensejou a discussão sobre as perspectivas do capitalismo contemporâneo que, no mainstream econômicos, produziu a tese da “estagnação secular”, e, no campo da crítica da economia política, resultou nas análises que afirmam os limites históricos da forma capital. O propósito desse artigo é apresentar um panorama das teorizações representativas do marxismo que afirmam esses limites, mostrando que muitas de suas deficiências poderiam ser resolvidas com uma consideração rigorosa da madura crítica marxiana da economia política. Longe da intensão de apresentar toda a heterogeneidade e complexidade dessas teorias, concentramos nossa apresentação, de um lado, nas bem conhecidas contribuições para o campo (tais como István Mészáros, Robert Kurz, François Chesnais e David Harvey). Por outro lado, investigamos teorias que não têm sido traduzidas para o português e/ou são menos conhecidas no debate marxista brasileiro (tais como Andrew Kliman, Michel Roberts, Esteban Maito, Michel Husson et.al. e Pierre Dardot & Christian Laval).

Biografia do Autor

Gustavo Moura de Cavalcanti Mello, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor Adjunto do Departamento de Economia da UFES e docente do PPGPS/UFES, com doutorado em sociologia pela FFLCH/USP.

Henrique Pereira Braga, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor Adjunto do Departamento de Economia da UFES, com doutorado em ciência econômica pelo IE/UNICAMP.

Maurício de Souza Sabadini, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor Associado do Departamento de Econonomia da UFES e docente do PPGPS/UFES, com doutorado em ciência econômica pela Université de Paris I.

Referências

CHESNAIS, F. Finance Capital Today: Corporations and Banks in the Lasting Global Slump. Leiden: Brill, 2016 (Historical Materialism Book Series).

DARDOT, Pierre. “Le capitalisme à la lumière du néolibéralisme”, Raisons politiques, n. 52, pp. 13-23, 2013/4.

DARDOT, P. LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

GRESPAN, Jorge. “A Dialética do Avesso”, Revista Crítica Marxista, v. 14, p. 26-47, 2002.

______. O Negativo do Capital: o conceito de crise na crítica de Marx à economia política. 2ª. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

HANSEN, Alvin. “Economic progress and declining population growth”, American Economic Review, vol. XXIX (1), 1939, pp.1-15.

HARVEY, D. Seventeen Contradictions and the End of Capitalism. Londres: Profile Books, 2014.

______. The Enigma of Capital and the Crisis of Capitalism. Nova Iorque: Oxford University Press, 2010.

______. “O ajuste espacial: Hegel, Von Thünen e Marx”. In: ____. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Anablume, 2005.

______. The Limits to Capital. Oxford: Basil Blackwell, 1982.

HUSSON, Michel; HARRIBEY, Jean-Marie; JEFFERS, Esther; LEMAIRE, Frédéric; PLIHON, Dominique. Cette crise qui n'en finit pas: par ici la sortie. France: Éditions Les liens qui libèrent, 2017.

JONES, P. The Falling Rate of Profit and the Great Recession. Tese de Doutorado em Filosofia – Universidade Nacional Australiana, Canberra, 2014.

KLIMAN, A. “A Grande Recessão e a teoria da crise de Marx”, Revista Outubro, n.24, 2015, p.59-109.

_______. The failure of capitalist production: underlying causes of the great recession. Londres: Pluto Press, 2012.

KURZ, R. Dinheiro sem valor: linhas gerais para uma transformação da crítica da economia política. Lisboa: Antígona, 2014.

______. O colapso da modernização. São Paulo: Paz & Terra, 1992.

______. “A ascensão do dinheiro aos céus: os limites estruturais da valorização do capital, o capitalismo de casino e a crise financeira global”, 2002. Disponível em: http://obeco.no.sapo.pt/rkurz101.htm. Acesso em: 12/01/2016.

______. “A Substância do Capital”, 2005. Disponível em: http://obeco.planetaclix.pt/rkurz203.htm. Acesso em: 15/01/2016.

MAITO, E. E. “The historical transience of capital: the downward trend in the rate of profit since XIX century”. MPRA Paper, n.55894, 2014.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Livro I, Tomo I. Coleção Os Economistas. São Paulo: Nova Cultural, 1996 (a).

______. O Capital: crítica da economia política. Livro I, Tomo II. Coleção Os Economistas. São Paulo: Nova Cultural, 1996 (b).

______. O Capital: crítica da economia política. Livro III, tomo V. Coleção Os Economistas. São Paulo: Victor Civita, 1986.

______. Elementos Fundamentales para la Crítica de la Economia Política (borrador). 2 vols. Argentina: Siglo Veintiuno, 1973.

______. Manuscritos Econômico-Filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

MELLO, G.M.C. Notas sobre o atual estatuto conceitual do dinheiro inconversível". (Inédito), 2017.

MÉSZÁROS, István. Reprodução Destrutiva e Estado Capitalista. São Paulo: Ensaio, 1989.

_______. A Crise Estrutural do Capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

_______. “Crise Estrutural Necessita de Mudança Estrutural”. In: II Encontro de São Lázaro. 2011. Disponível em: http://www.ffch.ufba.br/IMG/pdf/Conferencia_Meszaros.pdf acessado em 02/03/2017.

PRADO, E.F.S. “Questionando a Macroeconomia da ‘Grande Recessão’”, Marx e o Marxismo, v. 3, p. 188-220, 2015.

______. “O marxismo pé-no-chão de David Harvey”, 2012. Disponível em: http://eleuterioprado.files.wordpress.com/2012/02/baixar-texto-243.pdf.

ROBERTS, M. The Long Depression: Marxism and the Global Crisis of Capitalism. Chicago: Haymarket Books, 2016a.

______. “Will capitalism end or can it be reformed?”, 2016b. (Blog do autor). Disponível em: https://thenextrecession.wordpress.com/2016/11/08/will-capitalism-end-or-can-it-be-reformed/. Acesso em: 05/02/2017.

TEULINGS, C.; BALDWIN, R. (eds). Secular stagnation: Facts, causes, and cures. Londres: CEPR Press, 2014.

Downloads

Publicado

2018-05-01