Trabalho e dinheiro: a teoria monetária marxista e o dinheiro de crédito

Autores

  • Bruno Miller Theodosio Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

dinheiro, inflação, Marx

Resumo

O presente trabalho discute a teoria monetária de Marx frente aos desenvolvimentos do capitalismo do século XXI. Defendemos que o dinheiro é uma mercadoria mesmo no capitalismo moderno porque mercadoria é uma forma social, portanto, o dinheiro tem valor (mas não um preço). O dinheiro de crédito é equivalente geral porque funciona como um símbolo de valor ancorado em uma forma de capital fictício, o passivo do Banco Central, além de guardar uma relação com o trabalho social. Para mostrar a relação entre o dinheiro e o trabalho abstrato seguimos a formalização da expressão monetária do tempo de trabalho (MELT) em uma economia de dinheiro de crédito. Ao final discutimos algumas teorias de inflação com raiz na teoria monetária de Marx.

Biografia do Autor

Bruno Miller Theodosio, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Economista formado pela FEA USP e Mestrando no IE-UFRJ. Trabalhei com Economia Política e Macroeconomia heterodoxa.

Referências

ARTHUR, C. J. (2005). Value and money. In Marx’s Theory of Money (pp. 111-123). Palgrave Macmillan UK.

CAMPBELL, M. (2005). Marx’s explanation of money’s functions: overturning the quantity theory. In Marx’s Theory of Money (pp. 143-159). Palgrave Macmillan UK.

CARCHEDI, G. (1991). Frontiers of Political Economy. Verso, New York.

FOLEY, D. (2005). Marx’s theory of money in historical perspective. In Marx’s theory of money (pp. 36-49). Palgrave Macmillan UK.

FOLEY, D. K. (1986). Understanding Capital: Marx’s Economic Theory. Harvard University Press, Cambridge.

GERMER, C. (2005). The commodity nature of money in Marx’s theory. In Marx’s Theory of Money (pp. 21-35). Palgrave Macmillan UK.

LAPAVITSAS, C. (2005). The universal equivalent as monopolist of the ability to buy. In Marx’s Theory of Money (pp. 95-110). Palgrave Macmillan UK.

MOSELEY, F. (2005). Money has no price: Marx’s theory of money and the transformation problem. Marx’s Theory of Money, 192.

MOSELEY, F. (2011). The determination of the “monetary expression of labor time”(“MELT”) in the case of non-commodity money. Review of radical political economics, 43(1), 95-105.

MARX, K. (2013). O capital. São Paulo: Boitempo

MARX, K. (2011). Grundrisse. Boitempo Editorial.

NELSON, A. (2005). Marx’s objections to credit theories of money. In Marx’s Theory of Money (pp. 65-77). Palgrave Macmillan UK.

PRADO, E. F. (2013). Da controvérsia brasileira sobre o dinheiro mundial inconversível. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, (35), 129-152.

PRADO, E. F. (2016). From gold money to fictitious money. Revista de Economia Política, 36(1), 14-28.

ROTTA, T. N., & Paulani, L. M. (2009). A teoria monetária de Marx: Atualidade e limites frente ao capitalismo contemporâneo. Revista EconomiA, 10(3), 609-633.

SAAD FILHO, A. (2002). The value of Marx: Political economy for contemporary capitalism. Routledge.

Downloads

Publicado

2019-01-11