Fragilidade financeira do setor bancário brasileiro

Autores

Palavras-chave:

Fragilidade Financeira, Sistema Bancário, Bancos públicos e privados

Resumo

O presente artigo tem por objetivo avaliar e analisar o grau de fragilidade financeira dos setor bancário brasileiro entre 2004 e 2016. A análise parte da sugestão de um índice de fragilidade que é apurado para doze bancos, com subsequentes agrupamentos por tamanho e tipo de propriedade. Os resultados mostram que, durante o último ciclo econômico brasileiro, as posturas financeiras dos bancos, quando analisados pelo seu caráter público ou privado, em contraposição à analise por tamanho, são mais aderentes à abordagem Minskyana. Uma vez considerada a importância da expansão do crédito como motor dos ciclos, a análise demonstra que bancos públicos operaram com alavancagem anticíclica, em posição financeira mais fragilizada em sua carteira de títulos e menor preferência pela liquidez em sua carteira de crédito. Esses resultados reforçam a importância do uso de bancos públicos como instrumentos de política econômica.

Biografia do Autor

Anderson Marques Cavalcante, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Contato eletrônico: atmc@cedeplar.ufmg.br.

Marina Perrupato Mendonça

Graduada em Ciências Econômicas pela Faculdade de Ciências Econômicas (FACE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Contato eletrônico: marina.perrupato@gmail.com.

Referências

ALMEIDA, C. Dinâmica volátil dos fluxos de capitais e vulnerabilidade financeira em países da América do Sul: fatores determinantes e análise de propostas para a sua redução, Tese de Doutorado, Belo Horizonte: Cedeplar/UFMG, 2016.

ALMEIDA, F. & DIVINO, J. “Determinants of the banking spread in the Brazilian economy: the role of micro and macroeconomic factors”, International Review of Economics & Finance, v. 40, pp. 29-39, 2015.

ARAÚJO, V. “Preferência pela liquidez do setor bancário no ciclo de expansão do crédito no Brasil: 2003-2010”, Revista Análise Econômica, v. 31, n. 59, pp.47-75, mar. 2013.

BERNANKE, B. & GERTLER, M. “Financial fragility and economic performance”, The Quarterly Journal of Economics, Oxford, v. 105, n. 1, pp. 87-114, fev. 1990.

CARVALHO, F. Mr. Keynes and the post Keynesians: principles of macroeconomics for a monetary production economy. Aldershot, Hants, England; Brookfield, Vt., USA: E. Elgar, 1992.

CAVA, P. B.; SALGADO JUNIOR, A. P. & BRANCO, A. M. D. F. “Evaluation of bank efficiency in Brazil: a DEA approach”, RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 17, n. 4, pp. 62–84, ago. 2016.

DOW, S. “International liquidity preference and endogenous credit creation” In: DEPREZ, Johan & HARVEY, John (eds.) Foundations of International Economics: Post Keynesian Perspectives. London: Routledge, 1999.

DOW, S. “Monetary reform, central banks and digital currencies”, Texto para Discussão, n. 1805, Department of Economics, Victoria, 2018.

GONTIJO, C. “A Teoria das Crises Financeiras: Uma Apreciação Crítica” In: Anais do XXXVII Encontro Nacional de Economia, ANPEC - Associação Nacional dos Centros de Pós-graduação em Economia, 2011

KEYNES, J.M. Collected Writings of John Maynard Keynes. London: Macmillan, vol. XIII, , 1973, pp. 408-411.

MINSKY, H. Can “it” Happen Again? Essays on Instability and Finance. Armonk, NY: M. E. Sharpe, 1982.

MINSKY, H. Stabilizing an Unstable Economy. New Haven: Yale University Press, 1986.

MINSKY, H. “The Financial Instability Hypothesis”, The Nova Economics Institute: Working Paper. New York: n. 74, pp.1-9, 1992.

MUNHOZ, V. & LIBANIO, G. Volatilidade dos fluxos financeiros e fuga de capitais: uma análise exploratória da vulnerabilidade externa no Brasil. In: Anais do XIV Encontro Nacional de Economia Política, São Paulo, 2009.

MUÑOZ, J. “Orthodox versus heterodox (Minskyan) perspectives of financial crises: explosion in the 1900s versus implosion in the 2000s”, The Levy Economics Institute at Bard College: Working paper. Annandale-on-Hudson: n. 695, pp.1-30, 2011.

PAULA, L. & ALVES JÚNIOR, A. “Fragilidade financeira externa e os limites da política cambial no Real”, Revista de Economia Política, v. 19, n. 1, pp. 73-93, 1999.

PRATES, D. & FREITAS, M. “Crédito bancário corporativo no Brasil”, Revista de Economia Política, v. 33, pp. 322-340, 2013.

SILVA, T.; RIBEIRO, E. & MODENESI, A. Determinantes macroeconômicos e o papel das expectativas: uma análise do spread bancário no Brasil. 2014.

STUDART, R. Investment Finance in Economic Development. London: Routledge., 1995.

TERRA, F. H. B & FERRARI FILHO, F. “A hipótese de fragilidade financeira aplicada ao setor público: uma análise para a economia brasileira no período de 2000-2009”, Revista EconomiA, Brasília, v. 12, n. 3, pp. 497-516, 2011.

DE LA TORRE, A.; IZE, A. & SCHMUKLER, S. L. Financial Development in Latin America and the Caribbean. Washington, DC: The World Bank, 2012.

TYMOIGNE, Eric. “Measuring macroprudential risk: financial fragility indexes”, The Levy Economics Institute at Bard College: Working paper. Annandale-on-Hudson: n.654, 2011.

VASCONCELOS, D.; KLAUMANN, A & IPIRANGA, A. “Bancos públicos e política anticíclica: uma análise exploratória com indicadores de alavancagem e liquidez da Caixa, Banco do Brasil e BNDES, no período de 2005 a 2014” In: Anais do X Encontro Internacional da Associação Keynesiana Brasileira, 2017.

WRAY, R. “Minsky Crisis”, Levy Economics Institute. Working Papers Series, n. 659, disponível em https://ssrn.com/abstract=1795504, acesso em 12 de Junho de 2018.

Downloads

Publicado

2019-12-16