Increasing inequality in working time

An international trend

Autores

Palavras-chave:

tempo de trabalho; trabalho produtivo; trabalho reprodutivo; flexibilidade; desigualdade; gênero.

Resumo

A flexibilização do tempo de trabalho implementada nos últimos 30 anos impulsionada pelo capital, aprofunda a distribuição desigual do tempo de trabalho. Também tem efeitos negativos nas mulheres, tanto no tempo de trabalho produtivo quanto reprodutivo. Este artigo discute a flexibilização do tempo de trabalho e compara tendências recentes em diferentes países, incluindo EUA, Canadá, França, Reino Unido e Brasil. Argumenta que as desigualdades no tempo de trabalho estão aumentando e prejudicando a vida dos trabalhadores. Também aponta que a flexibilização da jornada aumenta a exploração das mulheres e as desigualdades de gênero.

Biografia do Autor

Lygia Sabbag Fares, Brooklyn Institute for Social Research

Professora do Brooklyn Institute for Social Research, Doutora em Economia do Desenvolvimento pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), foi pesquisadora visitante na York University (Canadá). Mestre em Políticas do Trabalho e Globalização pela Universidade Kassel (Alemanha), especialização em Economia do Trabalho (Unicamp) e bacharel em Relações Internacionasi (UNIBERO). Organizadora do grupo de Gênero do Young Scholar Initiative (YSI). Membro de um grupo multidisciplinar de pesquisa em estudos de desenvolvimento da Universidade de São Paulo (USP), e representante do Comitê de Jovens Acadêmicas da International Association for Feminist Economics (IAFFE). E-mail: lygia@thebrooklyninstitute.com.

Ana Luíza Matos de Oliveira, FLACSO-Brasil

Professora visitante da FLACSO-Brasil, consultora independente e pesquisadora. Economista pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), especialista em pensamento social latinoamericano (Clacso), mestra e doutora em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Integra o comitê de membros da International Association for Feminist Economics (IAFFE). Foi pesquisadora visitante do Zakir Husain Center for Educational Studies (Jawaharlal Nehru University, Índia), do Lateinamerika-Institut (Freie Universität Berlin, Alemanha) e da Université de Genevè (Suíça). E-mail: almatosoliveira@gmail.com.

Referências

BICHIR, Renata Mirandola. “O Bolsa Família na berlinda? Os desafios atuais dos programas de transferência de renda”, Novos Estudos – CEBRAP, n.87, pp. 115-129, July 2010.

CAMPELLO, Tereza. Faces da desigualdade no Brasil: um olhar sobre os que ficam para trás. São Paulo: CLACSO, FLACSO e Agenda Igualdade, 2017.

CARRASCO, Cristina. Con voz propia: la economía feminista como apuesta teórica y política. Madrid: La oveja roja, 2014.

COTTER, David; HERMSEN, Joan; OVADIA, Seth & VANNEMAN, Reeve. “The glass ceiling effect”, Social Forces, v. 80, issue 2, pp. 655-681, December 2001.

DAL ROSSO, Sadi. “El tiempo de trabajo en América Latina y Caribe” In: Anales del III Congreso de ALAST, Congreso Latinoamericano de Sociología del Trabajo, 3. Buenos Aires, 2000.

DEDECCA, Claudio Salvadori. “Reorganização das relações de trabalho no Brasil. A flexibilidade é a única alternativa?” In: NETO, Antônio Moreira de & CARVALHO, Ricardo Augusto Alves de. Sindicalismo e negociação coletiva nos anos 90. Belo Horizonte: IRT (Instituto das Relações de Trabalho)/ PUC-MG, 1998.

DILLI, Selin; CARMICHAEL, Sarah G. & RIJPMA, Auke. “Introducing the historical gender equality index”, Feminist Economics, v. 25, n. 1, pp. 31–57, 2019.

FEDERICI, Silvia. “Notas sobre gênero em O Capital de Marx”, Revista Democracia Socialista, n. 6, São Paulo, Associação Caetés, outubro de 2017.

FERRANT, Gaëlle; PESANDO, Luca Maria & NOWACKA, Keiko. “Unpaid Care Work: The missing link in the analysis of gender gaps in labour outcomes”, OECD Development Centre, December 2014.

FORNAZIER, Armando & OLIVEIRA, Ana Luíza Matos de. “O ideário neoliberal no Brasil na década de 1990 e suas implicações no trabalho e nos setores produtivos”, Oikos, v. 12, n. 10, pp. 87-111, 2013.

GIBB, Lygia Sabbag Fares & OLIVEIRA, Ana Luíza Matos de. “A desigualdade na distribuição do trabalho total no Brasil: a quem favorece?”, Revista Pesquisa & Debate, v 26, n. 2 (48), pp. 87-104, São Paulo, setembro de 2015.

GIBB, Lygia Sabbag Fares. 2017. A tendência de despadronização da jornada de trabalho: configuração no Brasil e impacto nas mulheres. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico) – Instituto de Economia, Unicamp, Campinas, 2017.

HERMANN, Christoph. The Political Economy of Work Time: A theoretical, empirical, and historical account. Tese de doutoramento. Universidade de Viena, 2012.

HIRATA, Helena & KERGOAT, Daniele. “Novas configurações da divisão sexual do trabalho”, Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, pp. 595-609, São Paulo, setembro/dezembro 2007.

ILO. Women at Work Trends 2016. International Labour Office, Geneve, 2016.

____. Global Wage Report 2018/2019, 2018.

IPEA. Retrato das desigualdades de gênero e raça - 4ª ed. Instituto de Política Econômica Aplicada, Brasília: Ipea, 2011.

____. Políticas sociais: acompanhamento e análise, n. 22. Instituto de Política Econômica Aplicada, Brasília: Ipea, 2014.

____. Retrato das desigualdades de gênero e raça. Instituto de Política Econômica Aplicada, 2015. Acess in April 4 2017. http://www.ipea.gov.br/retrato/apresentacao.html.

____. Mulheres e trabalho: breve análise do período 2004-2014. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília: Ipea, março de 2016.

MARX, Karl. Capital, v. I. England: Penguin, 1990.

____________. Para a crítica da Economia Política: Manuscrito de 1861-1863 (Cadernos I a V) – Terceiro Capítulo. O capital em geral. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

NOBRE, Miriam. “Trabalho doméstico e emprego doméstico” In: COSTA, A. A.; OLIVEIRA, E. M. de; LIMA, M. E. B. & SOARES, V. As relações de gênero no trabalho. São Paulo: CUT, 2004.

OLIVEIRA, Ana Luíza Matos de. Regulação estatal das relações de trabalho no capitalismo contemporâneo: uma crítica ao discurso da flexibilização e desregulamentação. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Econômico) – Instituto de Economia, Unicamp, Campinas, 2013.

__________________________________. Educação Superior brasileira no início do século XXI: inclusão interrompida? Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico ) – Instituto de Economia, Unicamp, Campinas, 2019.

PNUD. Human Development Report 2014, 2014.

POCHMANN, Marcio. 2015. Desigualdade econômica no Brasil. São Paulo: Ideias & Letras, 2015.

_______________________. A grande sociedade – qual é o projeto de desenvolvimento para o Brasil do futuro? São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2017.

POLACHEK, Solomon Jun Xiang. “The Gender Pay Gap Across Countries: A Human Capital Approach”, IZA DP, n. 8603, 2014.

ROSSI, Pedro & Guilherme MELLO. Choque recessivo e a maior crise da história: a economia brasileira em marcha ré. Nota do Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica – Instituto de Economia, Unicamp, n. 1, abril de 2017.

SAFFIOTI, Heleith. A mulher na sociedade de classe: mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SILVA, Ilmar Ferreira da; TERRAZAS, Marcelo; PRONI, Marcelo Weishaupt & POCHMANN, Marcio. “A jornada de trabalho no Brasil: o debate e as propostas” In: POSTHUMA, Anne Caroline. Abertura e ajuste do mercado de trabalho no Brasil: políticas para conciliar os desafios de emprego e competitividade. Brasília: OIT, pp. 233-265.

TEIXEIRA, Marilane Oliveira. “O mercado de trabalho reitera relações desiguais que se constroem no âmbito das relações econômicas e sociais” In: FES (org.). Classes? Que classes? FPA, 105 a 124. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo e Fundação Friedrich Ebert, 2013.

Downloads

Publicado

2020-12-27