Marx e o marxismo crítico de Postone

Autores

Palavras-chave:

Marx, marxismo, Postone

Resumo

O texto aborda a questão das fontes e da formação do pensamento de Marx, como uma teoria crítica do capitalismo, e retoma o debate de Postone entre “marxismo tradicional” e “marxismo crítico”. Destaca-se a análise da formação do pensamento de Marx, que se deu através da reelaboração crítica de suas fontes, especialmente a crítica da economia política, processo em que vai elaborando seu próprio método de investigação. Muitos marxismos surgiram depois de Marx. Qual deles representa o verdadeiro pensamento de Marx? É interessante notar que Marx teria manifestado não se considerar um marxista. Aqui só tratamos de dois, que avaliamos serem os mais abrangentes. O marxismo tradicional define o capitalismo pela propriedade privada dos meios de produção, a dominação de classe, a exploração do excedente e a luta de classes como o motor da história. Como decorrência, um sistema pós-capitalista se definiria pela propriedade coletiva dos meios de produção, a substituição do mercado pelo planejamento, o fim da dominação de classe e da exploração do trabalho e emancipação da classe trabalhadora como sujeito histórico e classe universal. Em contraposição, para o marxismo crítico, a principal forma de dominação não é a de classe, mas a dominação estrutural sistêmica, exercida pelo tempo do trabalho abstrato, origem, substância e medida do valor, e também objetivo e principal forma de riqueza da produção capitalista. É neste contexto que devem ser entendidas a questão da propriedade, a dominação e a luta de classes, a exploração e a emancipação do trabalho. Em consequência, uma sociedade pós-capitalista deve abolir a dominação e a coerção sistêmica do trabalho abstrato, o capital e a produção de valor como principal forma da riqueza capitalista.

Biografia do Autor

Gentil Corazza, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

É formado em Filosofia e tem especialização em Sociologia do Desenvolvimento. Tem graduação e mestrado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e doutorado pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Fez pó-doutorado na Universidade de Paris I - Sorbone/França. Foi professor visitante na Universidade da Integração Latino-Americana (UNILA). Atualmente é professor na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS). 

Referências

ANDERSON, Perry. Considerações sobre o marxismo ocidental. São Paulo: Brasiliense, 1989.

ARAUJO, P. H. & DUAYER, M. “Apresentação”, Verinotio, n. 22, pp. 1-4 , ano XI/2016.

ARAUJO, P. H. “Notas críticas ao artigo ‘Miséria na filosofia marxista: Postone leitor d’O capital’, por Bidet” Verinotio, n. 22, pp. 120-151, ano XI/2016.

BIDET, J. “Miséria na filosofia marxista: Postone leitor d’O Capital”, Crítica Marxista, n. 41, São Carlos, UFscar, pp. 9-49, 2015.

BRAGA, H. P. “Conversa com Moishe Postone”, Verinotio, n. 22, pp. 89-99, ano XI/ 2016.

CAMARGO, S. “Teoria crítica e dominação na obra de Moishe Postone”, Mediações, n. 2, v. 18, pp. 118-132, Londrina, jul/dez 2013.

CORAZZA, G. Métodos da ciência econômica. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

DUAYER, M. & ARAUJO, P. H. “Valor como forma de mediação social: interpretação de Marx a partir de Postone”. In: Anais do XXIII Encontro Nacional de Economia Política, Vitória, 2019.

DUAYER, M. “Marx e a crítica ontológica da sociedade capitalista: crítica do trabalho”, Revista Em Pauta, n. 29, v. 10, pp. 35-47, Rio de Janeiro, 2012.

DUAYER, M.; ESCURRA, M. F. & SIQUEIRA, A. V. “A ontologia de Lukács e a restauração da crítica ontológica em Marx”, Revista Kátal, n. 1, v. 16, pp. 17-25, Florianópolis, jan/jun 2013.

DUAYER, M. & MEDEIROS, J. L. “Marx, estranhamento e emancipação: o caráter subordinado da categoria da exploração na análise marxiana da sociedade do capital”, Revista de Economia, v. 34, n. especial, pp. 151-161, Curitiba, 2008.

ENGELS, F. Feuerbach e o fim da filosofia clássica alemã. Moscou: Avante, 1886.

______. Do socialismo utópico ao socialismo científico. São Paulo: Global, 1980.

ESCURRA, M. F. “O trabalho como categoria fundante do ser social e a crítica à sua centralidade sob o capital”, Verinotio, n. 22, pp. 12-28, ano XI /2016.

FEUERBACH, L. A essência do cristianismo. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

FLECK, A. O. A crítica da economia política em O capital de Karl Marx. Dissertação. (Mestrado em geografia) - PPGF - UFSC, Florianópolis, 2011.

FREDERICO, C. O jovem Marx: as origens da ontologia do ser social. São Paulo: Cortez, 1995.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do espírito. Parte 1. Petrópolis: Vozes, 1992.

______. Ciência da lógica. Petrópolis: Vozes, 2016.

KONDER, L. Marx: vida e obras. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

LÊNIN, V. I. As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo. Moscou: Avante, 1913.

LÖWY, Michael. “Pour un marxisme critique”. In: Marx après les marxismes. Paris : L’Harmattan, 1997.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012a.

______. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2012b.

MARX, K. Miséria da filosofia. São Paulo: Flama 1946.

______. O 18 Brumário e Cartas a Kugelmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

______. Diferença entre as filosofias da natureza em Demócrito e Epicuro. São Paulo: Global, 1979.

______. Contribuição à crítica da economia política. Lisboa: Martins Fontes, 1980.

______. O Capital, livro I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

______. “Sobre Proudhon. (Carta a von Schweitzer de 24/01/1865)”. Moscou: Avante, 1982.

______. O Capital, livro I. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.

______. Teses sobre Feuerbach. São Paulo: Jorge Zahar, 1990.

______. Grundisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

______. Crítica da filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K. & ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Hucitec, 1986.

______. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Boitempo, 1998.

MÜLLER, L. A. P. Economia política e espírito hegeliano: a influência de Steuart e Smith na formação da filosofia de Hegel. Dissertação (Mestrado em geografia) – PPGF, USP, São Paulo, 2011.

MUSTO, M. “A formação da crítica de Marx à economia política: dos estudos de 1843 aos Grundrisse”, Crítica Marxista, n. 33, pp.31-65, São Paulo, 2011.

NAPOLEONI, C. Lições sobre o capítulo sexto inédito de Marx. São Paulo: Pioneira, 1981.

NETTO, J. P. “Apresentação”. In: LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

NICOLAU, M. F. A. “A ciência da lógica no sistema hegeliano”, Kínesis, n. 03, v. II, abril 2010.

PERTILLE, J. P. “Superar, aniquilar e conservar – A filosofia da história de Hegel”, IHU online, edição 430, outubro, 2013.

POSTONE, M. Tempo, trabalho e dominação social: uma reinterpretação da teoria crítica de Marx. São Paulo: Boitempo, 2014.

______. “Repensando o capitalismo e seus futuros”, Verinotio, n. 22, pp. 76-88, ano XI/2016.

PRADO, E. F. S. “Valor, capital e luta de classes em Moishe Postone”, Verinotio, n. 22, pp. 100-119, ano XI/ 2016.

PROUDHON, P. J. O que é a propriedade? Porto Alegre: LPM, 2000.

SCHÄFER, M. E. “Hegel e a economia política”. In: Anais da Semana Acadêmica do PPG em Filosofia, PUCRS, VII Edição, 2011.

SIQUEIRA, R. S. O método da crítica da economia política: a ciência de Marx na “Introdução” dos Grundrisse de 1857. Dissertação (Mestrado em ). PPG-FIL, UnB, Brasília, 2015.

VIEIRA, Z. “Tempo, trabalho e dominação social. Uma reinterpretação da teoria crítica de Marx. Resenha, Crítica Marxista, n. 41, 2015.

XIMENES, O. A. “A teoria crítica de Postone e os Grundrisse de Karl Marx: apontamentos”, Revista Limiar, n. 7, v. 4, Londrina, 2017.

Downloads

Publicado

2021-04-28