Corporação Transnacional e o Estado Nacional

controle por dentro

Autores

Palavras-chave:

Estado, dependência, internacionalização, capital transnacional, acumulação de capital

Resumo

Após a IIª guerra, o grande capital, por meio de investimentos diretos estrangeiros tanto entre os Estados centrais como destes para os Estados periféricos, colou em questão os Estados nacionais. Esse grande capital, ao adentrar a estrutura produtiva de outros Estados, integra em aliança com as burguesias locais, as frações de classe que estruturam e disputam o bloco no poder e que dão corpo ao Estado. A forma como se dá essa aliança entre as frações de classe interna e externa determina o poder do grande capital, da corporação transnacional, em cada espaço local. Essa aliança, que adentra os aparelhos de Estado e compõe sua burocracia, determina o grau de autonomia ou dependência de cada Estado em sua inserção no capitalismo mundial. Nos Estados periféricos, as relações de poder e controle não são mais estabelecidas pela lógica imperial (um Estado subordinando outro), mas por dentro dos aparelhos de Estado em cada local: um controle desde dentro.

Biografia do Autor

Rubens Sawaya, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Professor do Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Coordenador da Pós-Graduação em Economia Política da PUC-SP. Diretor do IIPPE International Initiative for Promoting Political Economy. Ex-presidente da Associação Nacional dos Cursos de Graduação em Ciências Econômicas (ANGE) e ex-vice presidente da Sociedade Brasileira da Economia Política (SEP).

Referências

AMIN, Samir. Maldevelopment: Anatomy of a global failure. Tokyo; London: United Nations University Press; Zed Books Ltd., 1990.

AMSDEN, Alice. A ascensão do “resto”: desafios ao ocidente de economias com industrialização tardia. São Paulo: UNESP, 2004.

CARROLL, W. K. The Making of a Transnational Capitalist Class: corporate power in the 21st century. London-New York:Zed Books, 2010.

CHANG, Ha-Joon, Chutando a escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: UNESP, 2003.

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

______. Finance capital today: corporations and banks in the lasting global slump. Chicago: Haymarket Books, 2016.

CHOMSKY, N. Os Estados fracassados: o abuso do poder e o ataque à democracia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

______. Quem manda no mundo? São Paulo: Planeta, 2017.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1986.

COHEN, S. D. Multinational Corporations and Foreign Direct Investment: avoiding simplicity, embracing complexity. New York: Oxford University Press, 2007.

COUTINHO, Carlos Nelson. O estruturalismo e a miséria da razão. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

DICKEN, Peter. Global Shift: the internationalization of economic activity. London: Paul Chapman Publishing, 1992.

DOS SANTOS, T. A teoria da dependência: balanço e perspectivas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

DOWBOR, L. A era do capital improdutivo: a nova arquitetura do poder; dominação financeira, sequestro da democracia e destruição do planeta. São Paulo: Outras Palavras, 2017.

EICHENGREEN, Berry. A globalização do capital: uma história do sistema monetário internacional. São Paulo: Editora 34, 2000.

HARDT, M. & NEGRI, A.Império. Rio de Janeiro: Record, 2003.

HODGSON, G. Economia e instituições: manifesto por uma economia institucionalista moderna.–Oeiras (Portugal): Celta, 1994.

HYMER, S. Empresas multinacionais: a internacionalização do capital. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

KISSINGER, H. Sobre a China. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

KORTEN, David C. Quando as corporações regem o mundo. São Paulo: Futura, 1996.

LENIN, V. I. Imperialismo: fase superior do capitalismo. São Paulo: Global, 1987.

LIST, G. F. Sistema nacional e economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

LUKÁCS, György. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. São Paulo: Boitempo, 2010.

LUXEMBURG, Rosa. A acumulação de capital. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética da dependência: uma antologia da obra de Ruy Mauro Marini.(organizado por SADER, Emir). Petrópolis: Vozes, 2000.

MARX, Karl. O capital: críticad a economia política. Livro III. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,1980.

______. A questão judaica. São Paulo: Centauro, 2000.

MASCARO, Alysson L. Estado e forma política. São Paulo: Boitempo 2013.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

______. A montanha que devemos conquistar: reflexões acerca do Estado. São Paulo; Boitempo, 2015.

MICHALET, C-A. La séduction des Nations ou comment attire les investissements. Paris: Economica,

MOFFITT, Michael. O dinheiro no mundo: de Bretton Woods à beira da insolvência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

OSÓRIO, Jaime. O Estado no centro da mundialização: a sociedade civil e o tema do poder. São Paulo: Outras Expressões, 2014.

PALLOIX, Christian, Asfirmas multinacionais e o processo de internacionalização. Lisboa: Estampa, 1974.

POULANTZAS, Nicos. Classes in Contemporary Capitalism. London: NLB, 1976.

______. O Estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

SAES, Décio. “A questão da autonomia relativa do Estado em Poulantzas”, Crítica Marxista, n. 7, pp. 46-66, Campinas, 1997.

SAWAYA, Rubens R..“China: uma estratégia de inserção no capitalismo mundial”, Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, n. 28, pp. 5-35, São Paulo, fevereiro de 2011,

______. Subordinated development: transnational capital in the process of accumulation of Latin

America and Brazil. Chicago: Haymarket Books, 2019.

SKLAIR, L. The transnational capitalist class. Oxford-UK; Victoria-Australia: Blackwell, 2001.

WILLIAMSON, Oliver. The Economic Institutions of Capitalism New York: The Free Press/Macmillan, 1985.

WOOD, Ellen. Democracia contra capitalismo: a renovação do materialismo histórico. São Paulo: Boitempo, 2003.

______. “Imperialismo dos EUA; hegemonia econômica e poder militar”,Crítica Marxista, n.19, São Paulo, Revan, outubro de 2004.

______. O império do capital. São Paulo: Boitempo, 2014.

Downloads

Publicado

2021-04-28