Uma reestruturação ecológica:

a ecologia política de André Gorz

Autores

Palavras-chave:

ecologia política, André Gorz, redução do tempo de trabalho

Resumo

Este artigo tem como objetivo revisitar alguns dos argumentos de André Gorz sobre a urgência de uma mudança radical na forma de organização de nossa sociedade, marcada pela “atual crise do capitalismo”. Na leitura de Gorz, o capitalismo já teria alcançado limites externos e internos insuplantáveis e apenas sobreviveria por meio de subterfúgios, cada vez menos efetivos, para evitar a crise de suas categorias fundamentais: o valor, o trabalho e o capital. Em sua forma atual, prossegue, o capitalismo não seria capaz de ampliar as liberdades substantivas, nem tampouco proporcionar um horizonte material mais alentado para a maioria dos trabalhadores, a despeito das imensas possibilidades trazidas na esteira dos processos de informatização e de robotização. Consequentemente, Gorz sustenta que a solução para este dilema civilizatório encontra-se  na perspectiva da ecologia política, alicerçada numa reestruturação que preze tanto pela redução do tempo de trabalho, quanto pela mudança na relação dos sujeitos com os outros e com a teia da vida em nosso planeta.

Biografia do Autor

Augusto Maganha Barbosa, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (2017). Mestre em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (2021).

Paulo Sérgio Fracalanza, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Livre Docente do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas. Diretor do Instituto de Economia da Unicamp entre 2015 e 2019, Coordenador Geral da Pós-Graduação entre 2011 e 2015 e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência Econômica entre 2008 e 2011. Coordenador da Graduação do Curso de Economia das Faculdades de Campinas (FACAMP), entre 2006 e 2008. Pesquisador do Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia (NEIT) e colaborador do Centro de Estudos Sindicais e do Trabalho (CESIT) e do Grupo de Pesquisa em SocioEcoEconomia (FEA/UInicamp).No Instituto de Economia leciona na graduação e na pós-graduação nas disciplinas de Teoria Econômica. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Industrial, Economia do Trabalho e Políticas Públicas, atuando principalmente nos seguintes temas: Redução do Tempo de Trabalho, Economia da Inovação e Abordagem Evolucionária, Economia Política Contemporânea e Transições para a Sustentabilidade. Possui Bacharelado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1991), Bacharelado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1993), Mestrado em Economia pela Universidade de São Paulo (1995), Doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (2001), com Estágio Doutoral na Université Louis Pasteur em Strasbourg, França (1997 - 1998). Em 2008, participou do Entrepreneurship Research Conference na Babson College (MA - EUA) e em 2006, do CAPORDE (Cambridge Advanced Programme on Rethinking the Development Economics) na University of Cambridge, UK. Atualmente preside a Associação Nacional dos Cursos de Graduação em Economia (Ange). 

Referências

ACOSTA, Alberto. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: Autonomia Literária, Elefante, 2016.

ANDRADE, Daniel Pereira; OTA, Nilton Ken. “Uma alternativa ao neoliberalismo: entrevista com Pierre Dardot e Christian Laval”, Tempo Social, v. 27, pp. 275-316, junho 2015.

CLOUSCARD, Michel. Le capitalisme de la séduction. Paris: Éditions Delga, 2009.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. São Paulo: Boitempo Editorial, 2017.

______. Comum: ensaio sobre a revolução no século XXI. São Paulo: Boitempo Editorial, 2018.

DUFOUR, Dany-Robert. A cidade perversa: liberalismo e pornografia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

FRACALANZA, Paulo Sérgio. “Limites das abordagens microeconômicas da redução da jornada de trabalho”, Revista de Economia, vol. 34, n. 2, pp. 29-47, 2008.

FRACALANZA, Paulo Sérgio; MARIA, Mariana Reis; CORAZZA, Rosana Icassatti. “Economia Política da redução do tempo de trabalho: dos autores pioneiros ao debate contemporâneo sobre transições para sustentabilidade”, Nova Economia, vol. 30, n. 2, pp. 629-654, 2020.

GALEANO, Eduardo. Patas arriba. La escuela del mundo al revés. Madrid: Siglo XXI, 1998.

GORZ, André. Adeus ao proletariado: para além do socialismo. Rio de Janeiro: Forense-universitária, 1982.

______. Metamorfoses do trabalho: crítica da razão econômica. São Paulo: Annablume, 2003.

______. Misérias do presente, riqueza do possível. São Paulo: Annablume, 2004.

______. O imaterial. São Paulo: Annablume, 2005.

______. Ecológica. São Paulo: Annablume, 2010.

ILLOUZ, Eva. O amor nos tempos do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

JACKSON, Tim. Prosperidade sem crescimento: vida boa em um planeta finito. São Paulo: Planeta Sustentável, 2013.

KEYNES, John Maynard. “Possibilidades econômicas de nossos netos” in: SZMRECSANYI, T. (ed.). John Maynard Keynes. São Paulo: Editora Ática, 1930, pp. 150–159.

LATOUCHE, Serge. Pequeno tratado do decrescimento sereno. São Paulo: Edições 70 - Brasil, 2009.

LINHART, Danièle. A desmedida do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007.

MAIR, Simon; DRUCKMAN, Angela; JACKSON, Tim “A tale of two utopias: Work in a post-growth world”, Ecological Economics, 173, 106653, 2020.

MARX, Karl. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007.

______. O capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011.

POLANYI, Karl. A subsistência do homem e ensaios correlatos. Rio de Janeiro: Contraponto Editora, 2012.

PALLUDETO, Alex Wilhans; ROSSI, Pedro. O capital fictício: revisitando uma categoria controversa. Campinas: Instituto de Economia, Texto para Discussão n° 347, 2018.

RAWORTH, Kate. Economia donut: uma alternativa ao crescimento a qualquer custo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

RUSSELL, Bertrand. O elogio ao ócio. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.

SANDEL, Michael. Justiça: o que é fazer a coisa certa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

______. O que o dinheiro não compra: os limites morais do mercado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia de Bolso, 2010.

SKIDELSKY, Robert; SKIDELSKY, Edward. Quanto é suficiente? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-21