Socialismo ou barbárie

o futuro é agora!

Autores

  • Rosa Maria Marques Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Palavras-chave:

capitalismo, ecossocialismo, jornada de trabalho, nova proteção social

Resumo

Este artigo trata da necessidade de promover uma alteração radical na relação homem/natureza e na apropriação da produtividade decorrente da indústria 4.0, da internet das coisas e da inteligência artificial, enfim, da produtividade derivada dos novos usos que estão sendo feitos da tecnologia microeletrônica. Essas alterações pressupõem uma ruptura com o modo de produção capitalista, reafirmando o valor de uso e colocando o bem-estar da humanidade no centro das decisões. A socialização da produtividade das novas tecnologias é o fundamento para que se reduza substancialmente a jornada de trabalho e que se dê início à construção de uma nova proteção social que não seja fundada no trabalho. Caso essas mudanças não ocorram, cada vez mais a humanidade estará exposta a patógenos desconhecidos e milhões de trabalhadores estarão excluídos permanentemente do mercado de trabalho.

Biografia do Autor

Rosa Maria Marques, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Professora Titular do Departamento de Economia e do Programa de Estudos Pósgraduados em Economia Política da PUC-SP.

Referências

ACOSTA, Alberto. O Bem Viver: uma oportunidade para imaginar outros povos. São Paulo: Autonomia Literária, 2ª reimpressão, 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo. São Paulo: Zahar, 2008.

CHESNAIS, François. “O capital portador de juros: acumulação, internacionalização, efeitos econômicos e políticos” In: CHESNAIS, F. (org.) A finança mundializada. São Paulo: Boitempo, 2005

____. “As raízes da crise econômica mundial” In: Olho da história, julho de 2012. Disponível em: http://oolhodahistoria.org/n18/artigos/chesnais.pdf. Acesso em: 13/02/2021.

____. Financial Capital Today. Boston: Brill, 2016.

CORIAT, Benjamin. L’Atelier et le Chronomètre. Paris: Christian Bourgois Editeur, 1982.

FORD, Henry. Minha vida, minha obra. Porto Alegre: Monteiro Lobato, 1925.

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos – o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HUSSON, Michel. Apresentação no Third Economics Seminar of the IRRE. Amsterdam, 2014. Vídeo disponível em: https://www.iire.org/node/640. Acesso em: 19/01/2021.

KUPFER, David. Palestra In: ALMEIDA, Júlio Sérgio Gomes de & CAGNIN, Rafael Fagundes. A indústria do futuro no Brasil e no mundo. São Paulo: IEDI (INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL), 2019.

LÖWY, Michael. “Ecossocialismo e planejamento democrático”, Crítica Marxista, n. 28, pp. 35-50, Campinas, Fundação Editora Unesp, 2009.

____. “O que é o Ecossocialismo? – partes 1 e 2” In: Esquerda on-line, 2019. Disponível em: https://www.esquerda.net/artigo/o-que-e-o-ecossocialismo-por-michael-lowy-1/59573 e https://www.esquerda.net/artigo/o-que-e-o-ecossocialismo-por-michael-lowy-2/59576. Acesso em: 03/12/2020.

LUXEMBURGO, Rosa. A crise da socialdemocracia. Lisboa: Editorial Presença, s.d. Disponível em: http://paranaue.org/wp-content/uploads/2019/09/luxemburgo-crise-social-democracia.pdf. Acesso em: 9 de fevereiro de 2020.

MARQUES, Rosa Maria. A proteção social e o mundo do trabalho. São Paulo: Bienal, 1997.

MARQUES, Rosa Maria; LEITE, Marcel Guedes; BERWIG, Solange Emilene & DEPIERI, Marcelo Álvares de Lima. Pandemias, crise e capitalismo. São Paulo: Expressão Popular, 2021.

MARX, Karl. O capital. Livro I, capítulo XXIII. São Paulo: Difel, 8ª edição, 1982.

ROBERTS, Michael. “Tendencies, triggers and tulips – the causes of the crisis: the rate of profit, overaccumulation and indebtedness”. Apresentação Third Economics Seminar of the IRRE. Amsterdam, 2014. Disponível em: https://www.iire.org/node/623. Acesso em: 15/02/2021.

TAYLOR, Frederick. Princípios da administração científica. São Paulo: Atlas, 1982.

Downloads

Publicado

2021-06-06